Secretaria de Saúde de Toledo já testou mais de 7.000 pessoas em 2021

 

Foto de: Reprodução

Apontada como um dos métodos mais eficazes na contenção do novo coronavírus (Sars-Cov-2), a ampla testagem da população tem sido um dos pilares da Secretaria de Saúde de Toledo (SMS) no combate à Covid-19. Desde o início da pandemia até às 11h30 da última sexta-feira (19), 20.635 exames RT-PCR foram realizados pelo município, via Sistema Único de Saúde (SUS), sendo 13.172 durante todo o ano passado e mais do que a metade disso (7.463) nos 78 primeiros dias de 2021.

Além de mais frequente, a realização deste procedimento neste ano tem revelado uma taxa de positividade superior à do anterior: em 2020, 33,26% dos exames realizados atestaram a presença do Sars-Cov-2 no corpo dos pacientes; em 2021, essa proporção cresceu para 38,92%. “Até agora, nunca nos faltou testes para detecção de Covid-19. Tivemos sempre a quantidade suficiente para coletar, de acordo com o preconizado nos protocolos, com livre demanda para tal”, relata o diretor-geral da SMS, Fernando Pedrotti.

De acordo com o mais recente boletim epidemiológico (21), 15.260 testes rápidos tinham sido realizados até domingo, dos quais 5.275 resultaram positivos. “O exame tem este nome porque sai em um intervalo curto de tempo, entre 15 e 20 minutos. Este só se mostra eficaz a partir do 8º dia desde o aparecimento dos sintomas típicos de Covid, como febre, tosse, dor de garganta e perda de olfato ou paladar. Contudo, com o tempo ficou demonstrado que sua confiabilidade é baixa”, observa o diretor-geral. 

Pedrotti, que também é médico, explica que, por ser mais eficaz que o teste rápido, o RT-PCR é o mais solicitado pelos médicos, mas só em casos nos quais o paciente está entre o terceiro e o sétimo dia do aparecimento dos sintomas. “Se o exame for feito antes ou depois deste período, há um risco grande de o resultado ser um falso negativo”, alerta. “Muito mais do que testar, é preciso que os resultados sejam confiáveis. Quando estamos diante de qualquer patologia, é preciso ter dados seguros sobre a condição do paciente, mas quando essa doença é infecciosa e transmissível, isso é ainda mais importante”, salienta. 

Diante de uma pandemia cujo quadro se agrava cada dia mais, o médico destaca que os cuidados preventivos e medidas de isolamento de pessoas que estão com sintomas suspeitos é fundamental para a contenção do Sars-Cov-2. “Os vírus respiratórios, como os que causam resfriado, gripe ou Covid-19, circulam de forma parecida. Por isso, ao se fazer isolamento, estamos evitando que pacientes com quadro suspeito de infecção pelo novo coronavírus continuem por aí, contaminando outras pessoas. Mesmo que se descubra depois que não é Covid, é fundamental que estas pessoas sigam esta medida”, observa.

Notificações:
O diretor-geral do SMS faz um alerta sobre a ocorrência de uma situação bastante perigosa para a saúde pública. “É responsabilidade do médico que atende alguém com sintomas suspeitos fazer três coisas básicas: avaliar o caso; se este for suspeito, notificá-lo às autoridades; e prescrever o isolamento para o paciente pelo tempo que for necessário, levando em conta o dia do aparecimento dos sintomas. Portanto, se uma destas etapas não for cumprida, contribui-se para a disseminação do novo coronavírus em nosso município e todos só têm a perder com isso”, detalha. “Se o paciente é atendido em um local e sai dali sem a devida notificação do seu caso ou mesmo sem agendar o exame que o médico que lhe atendeu julgar mais adequado, as autoridades não são notificadas desta situação, o que pode causar consequências imprevisíveis uma vez que muitas pessoas vão seguir suas vidas sem fazer o isolamento necessário”, adverte. 

Pedrotti explica que cada exame realizado (RT-PCR ou rápido) em consultórios, clínicas, unidades de saúde, pronto-atendimentos ou laboratórios resulta em uma notificação. “Esse ato, fundamental para monitoramos a situação da Covid-19 em nosso município, ocorre no momento da suspeita, não na confirmação da doença”, explica. “Se o cidadão busca o laboratório por conta própria, esta empresa também realiza a notificação, independentemente de o exame der positivo ou negativo”, pontua.

Lacen:
Os exames RT-PCR realizados via Município de Toledo são encaminhados para o Laboratório Central do Estado (Lacen). Diante de uma demanda que não para de crescer em todo o Paraná, o órgão está levando de 3 a 4 dias para retornar o resultado.

O Lacen colabora substancialmente para o combate do Paraná à Covid-19. De acordo com matéria publicada pela Agência Estadual de Notícias (AEN) em setembro do ano passado, éramos, proporcionalmente, a terceira unidade federativa que mais realizava testes de detecção do novo coronavírus no Brasil - proporção de 4.574,63 exames para cada 100 mil habitantes, atrás, à época, somente do Amapá (5.715,43) e de Tocantins (5.576,87) e bem acima da média nacional (1.628,01) e da Região Sul (2.706,97). 

Se Toledo fosse um estado, certamente estaria na liderança deste ranking. Levando em conta os dados atuais, o município realiza 14.466 exames para cada 100 mil habitantes.

Fonte: Assessoria